Informagno | Gestão em TI

Razões para proteger os seus aplicativos mobile

Os aplicativos de celular que lidam com informações confidenciais do usuário devem ser executados em um ambiente confiável – e estamos falando sobre mais do que apenas aplicativos bancários. Além de dinheiro, os cibercriminosos também procuram pontos de programas de fidelidade, cartões de desconto, carteiras de criptomoedas e muito mais.

Os desenvolvedores de apps nunca saberão o grau de segurança de um dispositivo ou consciência de um usuário a respeito de ciberameças. Em vez de simplesmente esperar que seus clientes usem soluções de segurança mobile, você pode equipar proativamente seu desenvolvimento com tecnologias adicionais de proteção do usuário. Aqui estão nossos 5 principais motivos para fazer isso.

1. Software malicioso

Uma ameaça sempre presente, o malware pode vir de qualquer fonte usada pelo usuário para instalar aplicativos em seu telefone ou tablet. Mesmo usar lojas de aplicativos oficiais não é garantia de segurança.

Os invasores se tornaram especialmente criativos nos últimos anos, e o spyware moderno inclui uma variedade de recursos avançados. Dependendo da variedade, o malware pode interceptar notificações de aplicativos, mensagens de texto, códigos PIN e padrões de bloqueio de tela; roubar códigos 2FA para Google Authenticator e similares; e compartilhar o que está acontecendo na tela da vítima em tempo real.

O malware capaz de sobrepor janelas de aplicativos sozinho merece uma menção separada. Esses programas podem, por exemplo, copiar a interface de sua solução e adicionar campos de login falsos para roubar credenciais.

2. Redes Wi-Fi desconhecidas

Você pode não saber a quais aplicativos de rede os usuários se conectarão. Quase todos os cafés e meios de transporte agora oferecem Wi-Fi para todos, e qualquer pessoa na mesma rede pode tentar interceptar a troca de dados entre seu aplicativo e o servidor, obtendo acesso à conta do cliente. Em alguns casos, os cibercriminosos configuram suas próprias redes sem fio e as deixam deliberadamente abertas para atrair usuários.

3. Ferramentas de acesso remoto

Existe toda uma classe de programas com o objetivo de obter controle total sobre os dispositivos dos usuários. RATs, ou ferramentas de acesso remoto, não são necessariamente malware (embora alguns sejam) e podem ser incluídos em aplicativos legítimos. O acesso que eles fornecem pode dar aos cibercriminosos acesso remoto ao dispositivo, incluindo a capacidade de alterar as configurações de segurança, ler qualquer informação em um dispositivo e até mesmo usar qualquer aplicativo – incluindo o seu.

4. Vulnerabilidades do navegador

Em muitos casos, os aplicativos para dispositivos mobile são baseados em elementos de um navegador normal da web, com e sem algumas funções. Com as vulnerabilidades do mecanismo do navegador encontradas regularmente, os desenvolvedores de aplicativos precisam atualizar suas soluções periodicamente. No espaço entre a descoberta de uma vulnerabilidade e sua correção, no entanto, os cibercriminosos podem tentar atacar por meio de vulnerabilidades do navegador em seu aplicativo.

5. Phishing

Os cibercriminosos incluem phishers, que enviam links para sites maliciosos por e-mail, aplicativos de mensagens e mensagens de texto. Claro, os invasores podem tentar copiar o site de qualquer empresa, mas se acontecerem de atingir seus usuários, atraindo-os para um site que se parece com o seu ou enviando mensagens que parecem vir de sua empresa, sua reputação é que pode estar em risco.

Por que a proteção do usuário é do seu interesse – e como garanti-la

Formalmente, as ameaças que listamos prejudicam os usuários finais, não as empresas que fornecem aplicativos – pelo menos, diretamente. Vá um pouco mais fundo e as perdas do operador da aplicação se tornarão muito claras. Afinal, quanto mais ciberincidentes, maior será a demanda do suporte técnico; e em cenários complicados, os casos podem acabar no tribunal, onde mesmo que você não seja culpado, defender-se exigirá quantias expressivas de dinheiro. Além disso, mesmo se você provar sua atuação eficiente, é provável que perca um cliente, ou pior: nesta era das mídias sociais, a notícia de um único incidente pode se espalhar rapidamente e causar sérios danos à reputação de uma empresa. Faz sentido jogar com segurança e garantir a proteção de seus clientes com antecedência.

Fonte: Kaspersky