Informagno | Gestão em TI

Como proteger a saúde mental dos adolescentes nas redes sociais

Recentemente, tivemos o Dia Mundial da Saúde Mental, uma data importante internacionalmente que destaca a importância da saúde mental em um esforço para trazer mudanças positivas. A saúde mental dos adolescentes merece atenção extra na era da mídia social, das quais foram levantadas questões sobre vícios psicológicos e outros problemas.

Ansiedade nas redes sociais

Um estudo recente do Facebook descobriu que o Instagram pode prejudicar a psique dos adolescentes, especialmente das meninas. Trinta e dois por cento das adolescentes disseram que, quando se sentiam mal, o Instagram as fazia sentir ainda pior. Entre as causas de estresse frequentemente citadas estão padrões irrealistas de beleza e sentimentos de inadequação sobre seu padrão de vida em comparação com aqueles mostrados na tela.

O Instagram busca contornar essas questões introduzindo várias funções com objetivo de ocultar o contador de curtidas ou proibir filtros que demonstram padrões de beleza irrealistas.

Existem também etapas simples que os usuários podem seguir:

  • Cancele a assinatura de contas que façam você se sentir triste, inadequado, inseguro ou chateado.
  • Tente reduzir o tempo que você passa online.
  • Faça pequenas pausas e desintoxicação digital para escapar das redes sociais, relaxe e concentre-se em si mesmo. A Kaspersky lançou um espaço digital, o CyberSpa, para ajudá-lo a fazer isso.

 Cyberbullying

O cyberbullying é outro problema conhecido que pode afetar a saúde mental de um adolescente. Sempre que acontecer, não deve ser tolerado ou ignorado.

Se um adolescente está sofrendo bullying online, o primeiro passo é buscar a ajuda dos pais ou de outros adultos de confiança, como um conselheiro escolar, treinador esportivo ou professor. Se a vítima se sentir desconfortável em contar o problema a amigos, eles podem entrar em contato com uma linha de apoio e falar com um consultor profissional.

Hoje, as redes sociais, incluindo o Instagram, usam ativamente a IA para combater comentários abusivos em fotos e vídeos. Cada plataforma de redes sociais também possui ferramentas para personalizar quem pode comentar ou ver suas postagens, bem como para bloquear usuários e relatar casos de bullying ou intimidação. Às vezes, também pode ser útil coletar evidências na forma de capturas de tela para confirmar o que está acontecendo.

Facebook

O Facebook desenvolveu um Centro Anti-Bullying para Adolescentes. Para lutar contra o bullying na rede social, você pode:

  • Rastreie quem marca você em seu conteúdo. Isso pode ser feito nas configurações do Perfil e Marcação.
  • Verifique os materiais já publicados com suas tags e, se necessário, remova-os dos conteúdos aos quais você não deseja se associar, usando o Registro de atividades.
  • Remova os agressores de sua lista de amigos para que eles não tenham a oportunidade de entrar em contato com você. E se excluí-los não ajudar, você pode bloquear usuários. Lembre-se de que eles não serão notificados sobre isso. O bloqueio impedirá que abusadores encontrem seu perfil e o marquem em seu conteúdo. Além disso, eles não poderão adicionar você como amigo e rastrear suas ações.
  • Certifique-se de relatar os materiais ofensivos ao serviço de suporte. Você pode reclamar do conteúdo ao lado de uma postagem, foto ou comentário – isso chamará a atenção dos moderadores do Facebook.

Instagram

O Instagram rastreia o conteúdo postado pelos usuários. Se a plataforma detectar possíveis violações, ela notificará o usuário de que ele está prestes a publicar informações que ultrapassam os limites. Outras etapas que os usuários do Instagram podem realizar incluem:

Twitter

O Twitter também tem um centro de ajuda online sobre bullying que oferece ajuda e conselhos. Aqui estão as etapas que os usuários do Twitter podem seguir para combater o bullying:

  • Use os filtros de notificação do Twitter. Isso permite que você filtre as contas das quais você recebe notificações. Por exemplo, você não pode receber notificações de usuários sem uma foto de perfil.
  • O Twitter tem uma opção de silenciar as notificações que você pode personalizar para atender às suas necessidades. Por exemplo, você pode desativar as notificações de palavras-chave ou frases inteiras. Você pode desativar as notificações por um dia, um mês ou indefinidamente.
  • Uma ação eficaz também é a opção de bloquear usuários. Isso impedirá que contas bloqueadas postem, vejam seus tweets e leiam seu feed.
  • Se você for vítima de bullying, também deve denunciar o conteúdo ofensivo. Isso permitirá que o Twitter atue e bloqueie o usuário ou conteúdo.

TikTok

O TikTok também está criando várias ferramentas que permitem aos usuários limitar a atenção indesejada. A empresa produziu um guia que ajuda a identificar o comportamento de bullying e tomar medidas contra ele. Aqui estão alguns recursos que os adolescentes podem usar:

  • Defina as configurações de privacidade de vídeo em uma conta pessoal, para escolher quem pode ver cada vídeo e restringir o upload de vídeos pessoais.
  • O filtro de comentários indesejados permite que você crie uma lista de palavras-chave indesejadas que serão bloqueadas nos comentários em vídeos ou durante as transmissões ao vivo para proteger os usuários de intimidação.
  • O filtro de usuário permite que você escolha quem pode adicionar o dueto a um vídeo de usuário.
  • O bloqueio de usuários permite bloquear agressores que violam as regras da comunidade e notificar a plataforma sobre suas ações.
  • Os ambientes familiares mantêm os adolescentes seguros e os apoiam em seus esforços criativos, sem ultrapassar seus limites pessoais.

Em sua história relativamente curta, aprendemos que as redes sociais podem nem sempre ser benéficas para nossa saúde mental, mesmo que tenham outras vantagens. Mas, aproveitando algumas ferramentas à nossa disposição, podemos resolver o problema por conta própria e ajudar a orientar os adolescentes em um caminho mais saudável.