Informagno | Gestão em TI

Como falar com seus filhos sobre apagar fotos na internet

As crianças têm o direito de controlar suas próprias identidades online, mesmo quando isso se mistura à identidade de seus próprios pais

As crianças de hoje crescem com suas fotos sendo postadas na web por parentes e amigos. São anos e anos de registros fotográficos que seus pais publicaram antes que elas pudessem dizer se aprovam ou não a publicação. Como resultado, é bem comum que uma criança peça para alguém retirar sua foto da internet. Segundo o estudo Kids Online: Geração Lockdown* feito pela Avast, 48% das crianças com mais de 12 anos já pediram isso ao menos uma vez.

Mas pedir para alguém retirar uma foto, mesmo que seja para os pais, pode ser um tanto assustador. Então como ajudar os filhos em situações como essa?

A psicoterapeuta e escritora Catherine Knibbs*, que trabalha junto a jovens com traumas relacionados à internet, lembra que, em um passado não tão distante, todas as fotos costumavam ficar em casa. Somente quem estivesse presencialmente lá teria acesso a elas. Mas hoje em dia, os álbuns de família estão abertos a todos com acesso aos nossos perfis em mídias sociais.

“As pessoas estão tão dispostas a compartilhar seus momentos de orgulho e suas alegrias, que geralmente se esquecem que seus filhos também têm sentimentos sobre aquelas imagens”, explica Knibbs. 

Esses sentimentos podem variar da vergonha, por conta de uma cara engraçada na foto, ao ódio, devido a alguma peça de roupa constrangedora que aparece em “destaque” na imagem. Segundo Knibbs, esses motivos podem parecer bobos para um adulto, mas para uma criança isso pode ser como uma ameaça de vida ou morte. Os pais precisam respeitar esses sentimentos. 

Para isso, a psicoterapeuta recomenda uma conversa sobre cada foto antes de postá-las. Pergunte aos seus filhos qual das 3.563 fotos do momento em que cruzavam a linha de chegada eles gostariam que fosse postada.

“Diga alguma coisa como: ‘a mamãe está orgulhosa de você e quer colocar algumas fotos na internet. Tudo bem?’”, sugere Knibbs.

E depois deixe que eles escolham suas fotos favoritas. Pergunte se eles aceitam o compartilhamento de um local específico e diga quem são as pessoas que terão acesso a isso. E respeite caso eles realmente não queiram que você publique a foto.

Encoraje seus filhos a procurarem você caso não estejam felizes com uma foto postada. Knibbs sugere dizer que eles sempre podem dizer quando se sentem desconfortáveis com alguma coisa postada, mas não se sentem à vontade para falar sobre isso. Isso abre as portas para que eles defendam seus pontos de vista, não só com você, mas também com outras pessoas. 

Em última instância, as crianças têm o direito de controlar suas identidades online, mesmo nos casos em que suas identidades se misturam com a de seus pais. Parte do desenvolvimento da identidade dos jovens é determinar onde sua identidade começa e onde a de seus pais termina. Pense nisso da próxima vez que seus filhos disserem que algo é constrangedor ao se referirem àquelas fotos adoráveis postadas na banheira, quando eram bebês. Não importa o quão bonitinhos e fofinhos eles eram. Estamos falando da imagem deles, da identidade deles e do direito deles.