Informagno | Gestão em TI

7 dicas de segurança para usuários de Wi-Fi público

Longe de ser um luxo, o acesso gratuito à Internet a qualquer hora e em qualquer lugar se tornou rapidamente algo comum. Procuramos hotspots onde quer que passemos mais de um minuto: no metrô, nos cafés, nos prédios públicos. Mas o preço dessa conveniência é o risco de se deparar com criminosos cibernéticos. Veja como encontrar o equilíbrio certo entre conforto e segurança.

Quais são os riscos do Wi-Fi público?

De forma simples, se você se conectar a uma rede Wi-Fi pública, enfrentará a possibilidade muito real de roubo de dados. Transferimos muitas informações valiosas pela Internet e, se os cibercriminosos colocarem as mãos em seus dados de pagamento, credenciais de login, documentos, bate-papos privados e assim por diante, podem desviar suas economias e sequestrar suas contas. Com o acesso à conta, podem, por exemplo, se passar por você e distribuir spam ou extrair dinheiro de seus amigos ou encontrar material para chantagem no seu histórico de bate-papo.

Se você se conectar a uma rede insegura a partir de um dispositivo de trabalho, informações secretas sobre os negócios da sua empresa também podem acabar nas mãos erradas. Em alguns casos, os cibercriminosos podem até infectar furtivamente seu dispositivo com malware, que permanece lá mesmo depois de se desconectar do ponto de acesso perigoso. Para se manter seguro em redes públicas, siga estas sete regras simples.

1. Seja cauteloso ao usar Wi-Fi público

Não importa o quão tentadora ou urgente uma transação privada possa ser, as redes Wi-Fi sem senha não são adequadas para lidar com informações importantes.

Quaisquer dados que você enviar ou receber por Wi-Fi público podem ser visíveis para qualquer pessoa com acesso à mesma rede — que pode ser qualquer uma das dezenas ou centenas de estranhos no aeroporto ou no trem, por exemplo. Use Wi-Fi público para ler notícias, por todos os meios, mas não faça login em nenhum serviço ou suas contas podem ser comprometidas.

Dito isso, mesmo que uma rede tenha uma senha, isso não significa que seja segura. Um invasor pode se conectar tão facilmente quanto você — essas senhas geralmente são impressas nos recibos do café ou em uma placa visível para todos, por exemplo.

2. Verifique os nomes dos pontos de acesso

Alguns cibercriminosos vão além e, em vez de se conectar a redes Wi-Fi públicas existentes, criam e atraem as vítimas para suas próprias redes, que batizam com um nome semelhante. Se MyCoffeeShop for a rede real, por exemplo, convidados desavisados podem se juntar por engano a CoffeeShop_Guest ou MyC0ffeeShop e, assim, dar aos criminosos acesso fácil aos seus dados.

Antes de entrar em uma nova rede pública, tire um momento para verificar os nomes das conexões disponíveis. Procure a ordem correta das palavras, letras substituídas por números de formato semelhante, sublinhados extras e assim por diante.

3. Desative a conexão automática com o Wi-Fi

Dispositivos modernos se esforçam para simplificar nossa vida oferecendo conexão a redes abertas ou conhecidas automaticamente; em muitos sistemas, esta opção é habilitada por padrão. Infelizmente, isso também ajuda os cibercriminosos, conectando dispositivos antes que usuários legítimos tenham a chance de ser cautelosos — e podendo pegar malware ou entregar senhas diretamente para ladrões de dados.

Para evitar essas surpresas:

• Desligue o Wi-Fi quando não o estiver usando (isso também economizará a vida útil da bateria);

• Desative a conexão automática a redes — procure a opção nas configurações de seu Wi-Fi;

• “Esqueça” as redes Wi-Fi públicas assim que terminar de usá-las.

4. Evite Wifi não confiável para serviços que requerem autenticação

Sempre que possível, faça login em contas em que dados bancários, passaportes ou outros dados confidenciais sejam armazenados apenas em sua rede doméstica ou corporativa segura. Se as circunstâncias exigirem que você verifique seu saldo com urgência, use os dados móveis. Mesmo se você estiver no exterior e as tarifas de roaming forem altas, perder informações por meio de um ponto de acesso não autorizado custaria muito mais.

5. Instale uma solução de segurança para proteger o canal de comunicação

A forma mais garantida de manter seus dispositivos seguros ao usar Wi-Fi público é equipá-los com proteção confiável antecipadamente. Aplicativos de rede privada virtual (VPN) protegem sua privacidade criptografando dados antes de enviá-los ao roteador, mantendo-os ocultos. Com essa tecnologia instalada, até o Wi-Fi público é seguro.
[KSeC banner]

6. Use soluções de segurança dos fornecedores a quem seja seguro confiar seus dados

Ao escolher uma solução de conexão segura, certifique-se de que os desenvolvedores sejam de confiança. Escolha uma empresa respeitável que não recolha e venda seus dados. Por exemplo, a Kaspersky VPN Secure Connection usa o protocolo OpenVPN,  confiável, seguro e não registra o tráfego do usuário.

7. Configure o aplicativo VPN para ligar automaticamente em redes públicas

Você pode ativar manualmente uma conexão segura antes de abrir aplicativos importantes, mas é melhor não confiar apenas na memória. Em vez disso, configure seu aplicativo VPN para ativar a conexão segura automaticamente sempre que você se conectar a um Wi-Fi público. Se você usa o Kaspersky VPN Secure Connection, não precisa se preocupar com a velocidade; a largura de banda é suficiente até mesmo para streaming de vídeo.

E se você trabalhar com informações importantes, ative o recurso Kill Switch da Kaspersky VPN Secure Connection, que bloqueia a transferência de dados até que a solução estabeleça uma conexão segura e elimine o risco de interceptação.

Para tornar o Wi-Fi público seguro

O Wi-Fi público abriga muitos perigos ocultos, mas você não precisa desistir completamente de usá-lo. A escolha — seja expandir sua lista de bons hábitos de segurança cibernética ou usar aplicativos com proteção adicional — em última análise, fica nas suas mãos. Então, novamente, por que escolher quando você pode fazer as duas coisas?